ABIMDE
CCA MOTOS
Grupo Vibracom

Corredor de desenvolvimento sustentável

A expansão do eixo Brasília-Anápolis-Goiânia coloca a região como o 3º maior aglomerado urbano do país. De cada R$ 10 gerados em riqueza pelo Centro-Oeste, R$ 7 estão à beira do trecho. É de longe o maior eixo de atração de investimentos do País.  O PIB  ao longo da rodovia soma R$ 230 bilhões. É como se cada quilômetro da rodovia movimentasse mais de R$ 1 bilhão por ano. Ao longo dos 209 km do trecho movimenta-se 6% do PIB do Brasil e quase 70% do  PIB da Região Centro-Oeste. Com cerca de  7,5 milhões de habitantes na atualidade prevê-se que a expansão do corredor alcançará uma população de 20 milhões de pessoas em 2030.

A curta distância entre Brasília e Goiânia conduz à consolidação de um forte eixo econômico, tendo Anápolis como ponto de interseção

A esses referenciais estratégicos estruturantes do desenvolvimento de Anápolis somam-se os diferenciais competitivos articulados como a malha viária que corta o município – BRs153, 414 e 060. O ramal ferroviário – Ferrovia Centro-Sul e Ferrovia Norte-Sul. A futura Plataforma Logística Multimodal para a consolidação do Centro de Distribuição (CD). O Parque Tecnológico de Anápolis, projeto da Prefeitura de Anápolis e do governo do Estado. O moderno anel viário de Anápolis, com o recém-inaugurado viaduto do Daia. O Eixo Tecnológico Goiânia-Anápolis, potencial atrativo integrado ao complexo econômico de Anápolis, e o Porto Seco Centro-Oeste, com crescimento de 10.000% em 10 anos, terceiro do País em exportação/importação – em 1999, ocupava a 62ª posição.

A agressiva política de incentivos fiscais, desde a década de 1980, surtiu efeito. É uma observação um tanto lógica, mas oportuna, neste momento em que Anápolis assume definitivamente a posição de protagonista do eixo Goiânia-Anápolis-Brasília.

Localizada a 92 km do centro de Brasília e a 65 km de Anápolis, Alexânia tem o segundo shopping do País inteiramente com outlets de lojas de grife. Também se destacam o Comércio de móveis rústicos, vendidos às margens da rodovia, e a fábrica da Schincariol, com dois mil empregos.

Alexânia desperta para a vocação industrial em posição estratégica na BR-060.  Logo adiante, as lanchonetes Jerivá e Ficus, pontos de parada obrigatórios na rodovia. Em Abadiânia, a 118 km de Brasília e a 38 km de Anápolis, mais de 1,5 mil visitantes por dia chegam para conhecer a Casa Santo Inácio de Loyola, onde atende o médium João de Deus. Enquanto o dólar e o euro viram moedas correntes na cidade, as pousadas e os restaurantes estão sempre cheios e a procura por imóveis não para de crescer. Já no município de Anápolis, a Ambev/Cebrasa gera 776 empregos diretos e produz 120 mil latas de cerveja e refrigerantes por hora.

Teresópolis de Goiás, a 26 km de Anápolis e a 32 km de Goiânia, é uma cidade voltada para a BR-060, onde mais de 50 barraquinhas à beira da pista vendem de tudo – pimenta, mel, doce, frutas, água gelada. Com a implementação do Eixo Tecnológico Goiânia-Anápolis, o município terá encontro com desenvolvimento, assim como a vizinha Goianápolis, colada em Anápolis.

Focado principalmente no lago Corumbá IV, o mercado da pesca e do turismo rural explode na rodovia, onde passam perto de 100 mil veículos diariamente. Além dessas cidades localizadas entre Goiânia e Brasília, às margens da rodovia, cerca de 30 municípios dependem basicamente da agricultura e da pecuária de sobrevivência.

Tão próximos geograficamente e tão distantes economicamente. É preciso promover o desenvolvimento integrado da região, com a adoção de políticas públicas articuladas voltadas para o interesse comum. Há um grande numero de investidores interessados em desembarcar no corredor, que se transformará nos próximos anos em um autêntico shopping a céu aberto. As cidades sob influência do eixo Goiânia-Anápolis-Brasília são estratégicas, mas enquanto os governos do Distrito Federal e de Goiás, em conjunto com a Prefeitura de Anápolis e as classes produtoras do eixo não implementarem ações conjuntas de desenvolvimento integrado para região, os municípios pequenos continuarão sobrevivendo à margem do progresso.

É da responsabilidade dos grandes centros urbanos garantir o desenvolvimento sustentável em toda a região do eixo Goiânia-Anápolis-Brasília.

GOIÂNIA

BRASÍLIA

Cerca de 7,5 milhões de pessoas vivem hoje ao longo dos 209 km do eixo Brasília-Anápolis-Goiânia. A soma supera o número de habitantes das regiões metropolitanas de Porto Alegre e Recife e faz do corredor a terceira maior aglomeração do Brasil. Segundo projeções demográficas, a população deve mais que dobrar em 20 anos e alcançar, em 2030, o total de 20 milhões de pessoas. Especialistas preveem que a malha urbana entre as capitais federal e de Goiás se entrelace em uma velocidade assustadora nos próximos anos.

 

RADIOGRAFIA

9 MILHÕES
Total da população que inclui
todos os municípios e áreas
rurais entre Brasília e Goiânia

R$ 230 BILHÕES
PIB do eixo Brasília- Anápolis-Goiânia

70%
Participação do eixo Brasília-Anápolis-Goiânia
no PIB do Centro-Oeste

6%
Participação do eixo Brasília-Anápolis-Goiânia
no PIB do Brasil